Linux Kamarada

Bitcoin para iniciantes com a carteira Electrum

O Bitcoin é uma moeda digital que circula apenas eletronicamente, pela Internet. Já existe há 10 anos e mostra que veio pra ficar. Por enquanto o Bitcoin tem sido usado mais para especulação que outra coisa, mas já há lojas e serviços que aceitam pagamento em Bitcoins e projetos que aceitam doações em Bitcoins, a exemplo da Wikipedia.

Nesse tutorial, você vai aprender como transacionar Bitcoins usando a carteira Electrum.

Para referência futura, aqui utilizo a distribuição Linux openSUSE Leap versão 15.0, lançada em 25/05/2018, e a carteira Electrum versão 3.2.3, lançada em 03/09/2018.

Vou tentar explicar resumidamente um pouco sobre o Bitcoin. Depois, vamos ver como utilizá-lo na prática, comprando, transferindo e vendendo Bitcoins.

Observações:

  1. Há quem ganhe dinheiro fazendo especulação com Bitcoin, comprando ou vendendo conforme a moeda se valoriza ou desvaloriza. Adianto que não é o objetivo desse tutorial ensinar a fazer isso. Se é isso que você procura, recomendo procurar outros conteúdos, como a série Crypto Alert, da Empiricus.

  2. Devido à alta volatilidade da cotação do Bitcoin, se você executar todos os passos desse tutorial literalmente como aparecem, pode ser que ganhe ou perca dinheiro, esteja ciente disso. Recomendo que você leia todo o texto apenas para aprender como funciona e use a carteira Electrum no dia a dia conforme sua real necessidade.

Entendendo como funciona o Bitcoin

O Bitcoin foi criado em 2008 por Satoshi Nakamoto, que escreveu um artigo explicando o funcionamento da moeda. A título de curiosidade, Satoshi Nakamoto é na verdade um pseudônimo, não se sabe se é uma pessoa ou um grupo de pessoas.

O artigo que apresentou o conceito do Bitcoin, disponível para leitura [aqui](https://bitcoin.org/bitcoin.pdf).

O artigo que apresentou o conceito do Bitcoin, disponível para leitura aqui.

O objetivo do Projeto Bitcoin é desenvolver uma moeda descentralizada, que não seja suportada ou regulada por governos ou bancos, não dependa deles para ser confiável, nem sofra interferências de eventos políticos. A moeda Bitcoin depende apenas da própria rede de usuários para existir. Por isso, ela é dita uma moeda peer-to-peer (expressão que em inglês significa par-a-par e é mais conhecida por P2P).

Se você já conhece a rede torrent, que também é uma rede peer-to-peer, mas usada para compartilhar arquivos, talvez entenda mais facilmente a rede Bitcoin.

Diferente das moedas tradicionais, que são impressas por bancos centrais, Bitcoins não podem ser impressos: existem apenas eletronicamente. Também não podem ser baixados, porque não são arquivos. Na verdade, o que circula na rede são transações de Bitcoins. Todas as transações são divulgadas a todos os usuários da rede (broadcasting).

Uma transação é uma transferência de Bitcoins entre carteiras Bitcoin (Bitcoin wallets). Na ideia, essas carteiras são semelhantes às tradicionais nas quais guardamos cédulas, moedas e cartões. Mas lembre-se que Bitcoins não são armazenáveis, apenas transferidos. Tecnicamente, as carteiras Bitcoin são formadas por um endereço (address), do qual ou para o qual são transferidos Bitcoins, e uma chave privada (private key, também chamada de semente, seed), que é uma informação secreta usada para assinar transações. A assinatura fornece uma prova matemática de que a transação foi feita pelo dono da carteira e também previne que a transação seja alterada depois de emitida.

Chave privada e assinatura são conceitos de criptografia, que é um dos pilares do Bitcoin. É graças a ela que as transações de Bitcoins podem ser asseguradas pelas próprias partes envolvidas, diferente das transações de moedas tradicionais, que são asseguradas sempre por terceiros (normalmente, bancos).

Da mesma forma como na rede torrent um arquivo existe enquanto usuários possuem e disponibilizam esse arquivo, na rede Bitcoin uma transação existe a partir do momento que os usuários confirmam essa transação. Após a confirmação por vários usuários (normalmente, pelo menos seis), a transação é gravada em um gigantesco banco de dados que registra todas as transações de Bitcoins que já ocorreram na história, chamado de blockchain. Esse banco de dados é construído de forma síncrona e distribuída por vários usuários da rede e também utiliza criptografia, de modo que é difícil adulterá-lo.

O processo de confirmação de transações é chamado de mineração. Dá trabalho, porque envolve operações pesadas de criptografia, consome tempo, processamento, espaço em disco, energia elétrica e, portanto, tem custo. Quem transfere Bitcoins paga uma pequena taxa a quem confirma a transação. Quem precisa que a transação seja feita mais rápida, pode oferecer pagar uma taxa um pouco maior, de modo a atrair mais mineradores.

Mineração já foi uma forma de ganhar dinheiro com Bitcoins. Mas com a evolução da rede, as sucessivas operações criptográficas têm tornado as confirmações cada vez mais trabalhosas. O custo-benefício de minerar Bitcoins em casa no Brasil não compensa mais.

Se você ainda não tem Bitcoins e deseja obtê-los, o primeiro passo é escolher uma carteira. Com isso, você terá um endereço que poderá usar para receber Bitcoins. Alguém que já possui Bitcoins pode te transferir (como pagamento por um serviço ou produto, ou mesmo como doação, por exemplo) ou você pode comprar Bitcoins. Para isso, deve se cadastrar em uma corretora (exchange) e transferir dinheiro (em reais, por exemplo) para ela. As corretoras são análogas às casas de câmbio que convertem reais para dólares e vice-versa.

Se essa explicação pareceu confusa, não se preocupe: veremos na prática a seguir.

Aqui não esgotamos o assunto Bitcoin, que é bastante interessante. Para saber mais, visite o site do Projeto Bitcoin, que possui muita informação, leia o artigo do Bitcoin e pesquise no Google. De forma genérica, você pode pesquisar sobre criptomoedas, que são moedas semelhantes ao Bitcoin, baseadas em criptografia. O Bitcoin foi a primeira criptomoeda e inspirou várias que surgiram depois dele propondo alguma melhoria.

Cotação do Bitcoin

Assim como o valor do dólar oscila comparativamente ao real, o valor do Bitcoin também oscila de acordo com a demanda pela moeda no mercado (lei da oferta e da procura).

A melhor forma de descobrir quanto vale 1 Bitcoin (também abreviado BTC ou ) comparado ao real (BRL ou R$) é consultar sites de corretoras.

Mas se você não precisa da cotação em tempo real e quer ter apenas uma noção, pode ser mais prático pesquisar no Google. Experimente pesquisar “bitcoin real” (sem as aspas):

No momento da escrita, 1 Bitcoin é igual a R$ 13.256,93.

No momento da escrita, 1 Bitcoin é igual a R$ 13.256,93.

Divisões de Bitcoins

A moeda Bitcoin pode ser dividida em até 8 casas decimais.

A menor unidade de Bitcoin é chamada de satoshi, em homenagem ao seu criador.

1 satoshi = 0,00000001 BTC

Dessa forma, ainda que o valor de 1 BTC fosse elevado, seria possível transacionar qualquer valor. Se 1 BTC valesse 1 milhão de dólares, 1 satoshi valeria 1 centavo de dólar.

Se 1 BTC vale 13 mil reais, 1 satoshi vale 0,00013 reais (menos que 1 centavo de real).

Outra unidade comum é o milibitcoin (1 milésimo de Bitcoin), abreviado por mBTC.

1 mBTC = 1/1.000 BTC = 0,001 BTC = 100.000 satoshis

Se 1 BTC vale 13 mil reais, 1 mBTC vale 13 reais.

Corretoras Bitcoin

No Brasil há várias corretoras por meio das quais é possível comprar e vender Bitcoins. As mais antigas em funcionamento incluem: Mercado Bitcoin, Bitcoin To You, CoinBR, FoxBit, FlowBTC e BitcoinTrade.

Na escolha da corretora, você deve levar em consideração alguns pontos como o volume de negociação (um grande número de usuários sugere um bom serviço), recursos de segurança, formas de transferir dinheiro, bancos suportados, entre outros. As corretoras não cobram taxas para manter a conta, como geralmente fazem os bancos, mas cobram pequenas taxas em cada transação. Para mais informações, leia esse texto.

Eu já possuía conta na Mercado Bitcoin e nunca tive problemas com ela, então vou usá-la como exemplo aqui. Não vou falar muito sobre a corretora, apenas o essencial para entender como funciona o Bitcoin, porque o foco é no Bitcoin em si e na carteira Electrum.

[Mercado Bitcoin](https://www.mercadobitcoin.com.br): a primeira corretora Bitcoin do Brasil.

Mercado Bitcoin: a primeira corretora Bitcoin do Brasil.

Carteiras Bitcoin

Existem diversos tipos de carteiras, cada uma com suas vantagens e desvantagens: aplicativos para computadores (desktops), celulares (smartphones), carteiras de hardware, web e de papel também. O site do Projeto Bitcoin lista algumas carteiras disponíveis.

Dentre elas, carteiras que são aplicativos para desktop, funcionam no Linux e possuem código aberto incluem: Bitcoin Core, Bitcoin Knots, Armory, Bither e Electrum.

A carteira Bitcoin Core é do próprio Projeto Bitcoin, mas também faz mineração. Portanto, consome bastante processador e disco. Use apenas se deseja minerar.

A carteira Bither é a que está disponível para mais sistemas e dispositivos (Linux, Windows, Mac OS X, Android e iOS), mas o site é muito simples, não oferece documentação e eu não consegui baixar a versão para Linux.

Assim, escolhi usar a carteira Electrum por ser a segunda com mais sistemas suportados (Linux, Android, Windows e Mac OS X) e possuir boa documentação tanto em seu site quanto em outros. Além disso, o site da Electrum disponibiliza a assinatura dos downloads, de modo que é possível verificar a autenticidade do arquivo baixado. É importante sempre fazer essa verificação, especialmente no caso de programas críticos para a segurança, como essa carteira. Seu código-fonte está disponível no GitHub e recebe atualizações frequentes, outro ponto importante a se considerar.

Instalação da carteira Electrum

Antes de instalar a carteira Electrum propriamente dita, vamos instalar seus pré-requisitos:

1
# zypper install python3-setuptools python3-qt5 python3-pip

Um apressado, que dispensa verificação de autenticidade, poderia instalar a carteira rodando apenas o comando:

1
# python3 -m pip install https://download.electrum.org/3.2.3/Electrum-3.2.3.tar.gz#egg=electrum[fast]

Mas vamos fazer as coisas do jeito mais seguro, como aprendemos no post:

Acesse o site da carteira Electrum e clique em Download.

Desça até Installation from Python sources (instalação a partir do código-fonte em Python). Clique em Electrum-3.2.3.tar.gz e depois no link signature (assinatura) ao lado:

Com isso, você deve ter dois novos arquivos na pasta Downloads:

  1. Electrum-3.2.3.tar.gz (o código-fonte) e
  2. Electrum-3.2.3.tar.gz.asc (a assinatura GPG do código-fonte).

Para obter a chave pública do desenvolvedor, clique no link ThomasV, no início da página, onde se lê Sources and executables are signed by ThomasV (códigos-fonte e executáveis são assinados por ThomasV):

Na página que abre, veja o grande número em hexadecimal:

Esse número é a identificação da chave pública do desenvolvedor. Para importá-la, copie o número após 0x e execute o comando a seguir, colando o número:

1
$ gpg --recv-keys 2bd5824b7f9470e6

Opcionalmente, se você possui uma chave GPG, assine a chave pública importada:

1
2
3
4
$ gpg --edit-key 2bd5824b7f9470e6
> trust
> sign
> quit

Verifique a assinatura GPG do código-fonte com o comando:

1
$ gpg --verify Electrum-3.2.3.tar.gz.asc

Certifique-se de que aparece o aviso de boa assinatura (good signature):

1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
gpg: assuming signed data in 'Electrum-3.2.3.tar.gz'
gpg: Signature made seg 17 set 2018 08:59:04 -03
gpg:                using RSA key 2BD5824B7F9470E6
gpg: a verificar a base de dados de confiança
gpg: marginals needed: 3  completes needed: 1  trust model: pgp
gpg: depth: 0  valid:   3  signed:   0  trust: 0-, 0q, 0n, 0m, 0f, 3u
gpg: proxima verificação da base de dados de confiança a 2020-10-05
gpg: Good signature from "Thomas Voegtlin (https://electrum.org) <thomasv@electrum.org>" [ultimate]
gpg:                 aka "ThomasV <thomasv1@gmx.de>" [ultimate]
gpg:                 aka "Thomas Voegtlin <thomasv1@gmx.de>" [ultimate]

Nesse ponto, se a verificação de autenticidade sucedeu, podemos confiar tranquilamente no código-fonte baixado e seguir à instalação.

A página da Electrum não disponibiliza soma de verificação, mas se a integridade do arquivo estivesse prejudicada, a verificação de autenticidade falharia.

Tentei explicar a verificação de autenticidade de forma resumida. Se algo aqui não fez sentido pra você, leia o post completo sobre verificação de integridade e autenticidade.

Por fim, vamos à instalação da carteira propriamente dita usando o código-fonte baixado:

1
# python3 -m pip install Electrum-3.2.3.tar.gz

Primeiro uso da carteira Electrum

Para iniciar a carteira Electrum, abra o panorama de Atividades, digite electrum e clique no ícone correspondente:

No primeiro uso, a Electrum apresenta um assistente de configuração:

Para um iniciante, é seguro aceitar todas as configurações padrão clicando em Próximo

…até chegar nesta tela (não clique em Próximo ainda):

Essa tela mostra a chave privada (private key) ou semente (seed) da sua carteira Bitcoin (Bitcoin wallet). Anote-a em um lugar seguro (se você é paranoico com segurança, anote-a em um papel). Ela permitirá recuperar a carteira, caso algo dê errado.

Somente após anotar sua chave privada, clique em Próximo.

Essa tela pede que você digite sua chave privada. Digite-a no campo de texto e, caso esteja correta, o botão Próximo se tornará disponível. Feito isso, clique nele.

Na última tela do assistente, você tem a oportunidade de criar uma senha para proteger a carteira, o que é altamente recomendável. Caso seu computador seja comprometido (roubado, por exemplo), a carteira estará protegida por senha e não será possível fazer transações com seus Bitcoins nem visualizar seu histórico.

Digite uma senha no campo de cima, digite-a novamente no campo de baixo, certifique-se de que a opção Criptografar o arquivo da carteira esteja marcada e clique em Próximo.

Encerrado o assistente de configuração, você verá a tela principal da carteira Electrum:

Sua carteira foi criada em /home/nomedeusuario/.electrum/wallets/default_wallet. Esse arquivo é criptografado e armazena o endereço Bitcoin e a chave privada da carteira.

Depósito: transferir reais do banco para a corretora

Antes de comprar Bitcoins (converter reais em Bitcoins), você precisa transferir reais da sua conta no banco para a conta indicada pela corretora usando TED ou DOC. É importante que a conta bancária seja sua (em seu nome), não no nome de um parente, amigo ou conhecido.

Para fim de demonstração, nesse tutorial vou transferir R$ 100,00 (cem reais). Uma quantia menor talvez não fosse interessante, porque são descontadas taxas nas operações. Lembro mais uma vez da observação do início: a cotação do Bitcoin é volátil, recomendo que você não reproduza esse tutorial se não há necessidade, pois corre o risco de perder dinheiro.

O Mercado Bitcoin não cobra taxa dos depósitos, que são reconhecidos no mesmo dia se feitos em dias úteis das 10:00 às 17:00. Para depositar, faça login e clique em Depósitos no menu à esquerda. Informe o Valor do depósito e opcionalmente uma Descrição. Por fim, clique em Confirmar:

Tome nota dos dados da conta da corretora e clique em Fechar:

Enquanto aguarda o depósito, a corretora mostra Aguardando aprovação:

Faça a transferência usando o aplicativo ou o netbanking do seu banco.

Quando o Mercado Bitcoin identificar o depósito, você receberá um e-mail:

Aí poderá proceder à compra de Bitcoins.

Comprar: converter reais em Bitcoins

No Mercado Bitcoin, contanto que haja Saldo disponível em reais, você pode comprar Bitcoins a qualquer hora, mesmo nos finais de semana. Para comprar Bitcoins, clique em Comprar no menu à esquerda. Informe o Valor em Reais e clique em Comprar:

Note que é feita a conversão de reais em Bitcoins conforme o Preço Médio e depois descontada uma Comissão, que no caso do Mercado Bitcoin é de 0,7% (em Bitcoins). A compra é executada de imediato. O Saldo disponível em reais diminui e o Saldo disponível em Bitcoin aumenta de acordo:

Assim como no depósito, o Mercado Bitcoin envia um e-mail avisando da compra. Também é possível ver o depósito e a compra no Extrato de operações. Para acessá-lo, clique em Ver extrato no menu à esquerda.

Na corretora, você possui uma carteira e um endereço, mas não é recomendado deixar seus Bitcoins na corretora. Carteiras web estão sujeitas a ataques hackers, então vejamos como transferir nossos recém comprados Bitcoins para a Electrum, nossa carteira desktop.

Transferir Bitcoins para a carteira

Transferências de Bitcoins podem ser feitas a qualquer hora, mesmo nos finais de semana.

Para transferir Bitcoins para a carteira Electrum, abra o aplicativo e selecione a guia Receber. Selecione e copie o Endereço de recebimento:

No Mercado Bitcoin, clique em Transferir no menu à esquerda. Cole o endereço copiado em Endereço bitcoin de destino e informe a Quantidade de Bitcoins a transferir:

Note que a Quantidade não pode ser exatamente igual ao Saldo disponível em Bitcoin, porque há a Taxa dos mineradores a ser paga. Essa taxa é somada à Quantidade e informada em Total, que deve ser menor ou igual ao saldo. Opcionalmente, você pode informar uma Descrição para a transferência. Se configurou a autenticação em dois passos, preencha o campo Token. Quando terminar, clique em Transferir Bitcoins.

O Mercado Bitcoin envia um e-mail avisando que fez a transferência.

Volte à carteira Electrum, selecione a guia Histórico e perceba que a transação já aparece:

A transação já foi divulgada a todos os usuários da rede (broadcasting), mas ainda não foi confirmada (unconfirmed). Na sequência, os mineradores devem confirmar a transação. Enquanto a transação é confirmada, os Bitcoins ainda não podem ser usados - perceba que a barra de estado mostra Balanço: 0, como se ainda não houvesse Bitcoins na carteira.

Você pode ver mais informações sobre a transferência clicando com o botão direito nela e clicando em seguida em Detalhes. Aparece uma caixa de diálogo que mostra, entre outras coisas, a Taxa que foi paga aos mineradores:

O processo de confirmação é automático, não requer intervenção humana, apenas o trabalho dos computadores conectados à rede Bitcoin. Após algumas confirmações (normalmente, pelo menos seis), a transação é confirmada:

Com isso, a transação é registrada no blockchain e os Bitcoins já podem ser usados. Note o balanço (saldo) atualizado na barra de estado. No meu caso, o processo de confirmação demorou 1 hora. Poderia ter demorado menos, se eu tivesse pago uma taxa maior.

Transferir Bitcoins da carteira

Para exemplificar a transferência de Bitcoins a partir da carteira Electrum, vejamos como devolvê-los para a corretora.

No Mercado Bitcoin, clique em Receber no menu à esquerda e copie o endereço informado:

Abra a carteira Electrum, selecione a guia Enviar, cole o endereço no campo Pagar para e informe a Quantidade de Bitcoins a ser transferida. Caso deseje transferir todos os Bitcoins, clique no botão Máximo. Opcionalmente, forneça uma Descrição para a transferência:

Aqui também você deve se atentar à taxa: o valor total da transação é a soma da Quantidade com a Taxa. O campo Quantidade é destacado em vermelho caso não haja saldo disponível. Você pode personalizar a taxa a ser paga aos mineradores deslizando o controle Taxa para a esquerda ou direita conforme deseje reduzir ou aumentar a taxa, respectivamente.

Clique em Visualização antes de fazer a transferência. Aparece uma caixa de diálogo que mostra, entre outras coisas, a Taxa que será paga aos mineradores:

A transação pode ser efetivada na própria caixa de diálogo Transação, clicando em Assinar e depois em Transmitir, ou você pode Fechar essa caixa de diálogo e, de volta à tela principal da Electrum, clicar em Enviar.

A Electrum pede a senha da carteira, informe-a e clique em Concluído:

Em seguida, é informado que houve a divulgação (broadcasting) da transação, clique em OK:

Selecione a guia Histórico e acompanhe o processo de confirmação:

Assim que foi divulgada, a transação ainda aparece como não confirmada (unconfirmed). Conforme vai recebendo confirmações, a Electrum vai atualizando o ícone da transação:

Após algumas confirmações (normalmente, pelo menos seis), a transação é confirmada. O processo para essa transação também demorou 1 hora.

Quando a transação é confirmada, o Mercado Bitcoin envia e-mail informando que a recebeu e já é possível ver o Saldo disponível em Bitcoin e o Extrato de operações atualizados.

Horas depois, é possível ver que a transação segue recebendo confirmações:

Observação: em transações de Bitcoins, não memorize endereços, pois eles podem mudar. Sempre confira para qual endereço deve enviar Bitcoins. Não vou explicar aqui, mas caso queira saber mais, pesquise sobre endereços de troco (change addresses).

Vender: converter Bitcoins em reais

No Mercado Bitcoin, contanto que haja Saldo disponível em Bitcoin, você pode vender Bitcoins a qualquer hora, mesmo nos finais de semana. Para vender Bitcoins, clique em Vender no menu à esquerda. Informe a Quantidade de Bitcoins e clique em Vender:

Note que é feita a conversão de Bitcoins em reais conforme o Preço Médio e depois descontada uma Comissão, que no caso do Mercado Bitcoin é de 0,7% (em reais). A venda é executada de imediato. O Saldo disponível em Bitcoin diminui e o Saldo disponível em reais aumenta de acordo. Assim como na compra, o Mercado Bitcoin envia um e-mail avisando da venda e também é possível ver a operação no Extrato de operações.

Saque: transferir reais da corretora para o banco

No Mercado Bitcoin, contanto que haja Saldo disponível em reais, você pode solicitar saque de reais para sua conta bancária a qualquer hora. Se solicitado até às 18 horas, o saque será efetuado em um prazo máximo de 3 dias úteis.

Para sacar, clique em Saque no menu à esquerda:

Selecione a Conta bancária (assim como no depósito, deve ser em seu nome), informe o Valor da retirada (se deseja sacar todo o saldo disponível, clique no botão Saldo), verifique a Comissão cobrada (1,99% + R$ 2,90) e o valor que Será despositado. Informe o PIN de segurança e opcionalmente uma Descrição para o saque. Por fim, clique em Solicitar saque.

Feito isso, é só aguardar o valor do saque entrar na sua conta bancária até o prazo estimado. Confira seu extrato bancário!

Conclusão

Nesse tutorial, entendemos como funciona o Bitcoin, instalamos a carteira Electrum e vimos como manusear o Bitcoin na prática, comprando, transferindo e vendendo Bitcoins.

Se um dia você precisar transacionar Bitcoins, já dispõe do mínimo necessário para começar. Espero que tenha gostado e que possa ser útil.

Siga o Linux Kamarada para ser notificado da publicação de outros textos como esse.

Referências

Gostou? Que tal compartilhar?

Me paga um café?
Se você gostou muito, se foi muito útil pra você, será que vale um café? Se quiser, você pode "me pagar um café" pelo PayPal ou contribuir com o projeto de outras formas.

Comentários

Sobre

O Projeto Linux Kamarada visa divulgar e promover o Linux como um sistema operacional robusto, seguro, versátil e fácil de usar, adequado para o uso diário seja em casa, no trabalho ou no servidor. Os focos do projeto são principalmente distribuição e documentação.

Anúncios

Facebook

Autor